Home » Lançamento do livro "Mutilação Genital Feminina: A Sombra do Empoderamento Feminino na Sociedade do Século XXI"

Lançamento do livro "Mutilação Genital Feminina: A Sombra do Empoderamento Feminino na Sociedade do Século XXI"

Publicado em 19 de fevereiro de 2022 às 19:53

O livro foi apresentado pelo seu autor, Tito Mba Ada, Embaixador da República da Guiné Equatorial em Portugal e à CPLP, no dia 17 de Fevereiro, no Hotel Colinas de Malabo.

A cerimónia de apresentação coincidiu com a celebração das actividades do Dia Internacional da Tolerância Zero à Mutilação Feminina.

O evento contou com a presença do Terceiro Vice-Primeiro Ministro do Governo responsável pelos Direitos Humanos, Alfonso Nsue Mokuy, da Representante da UNICEF France Bégin, bem como de embaixadores, amigos e membros do Governo.

O autor falou da motivação que o levou a escrever o livro e referiu-se à mutilação genital feminina como um fenómeno que, embora não ocorra directamente na Guiné Equatorial, "uma vez que o nosso país é um país globalizado que recebe pessoas de diferentes nacionalidades, é um facto que, nos seus países de origem, a mutilação genital ocorre". Por conseguinte, acredita que é possível que "possamos ter vítimas de mutilação genital nas nossas famílias".

Outra das razões que a motivaram a escrever é o desejo de se juntar às vozes que lutam pela causa da denúncia desta prática cruel, que não tem qualquer justificação e tem consequências prejudiciais a curto e longo prazo, incluindo complicações médicas, desde dores intensas a hemorragias após o parto, morte fetal ou morte prematura dos recém-nascidos. Outras consequências aludidas pelo autor incluem problemas psicológicos para as vítimas, desde a perda de confiança da criança nos seus cuidadores até à ansiedade e depressão a longo prazo na idade adulta, bem como outros problemas tais como inflamação dos tecidos, febre constante, etc.

O livro foi editado em três línguas: espanhol, francês e português. Tito Mba Ada apela aos governos e à sociedade civil para que tomem medidas concretas sobre os perpetradores desta prática.

France Begin, por seu lado, declarou: "Embora na Guiné Equatorial esta prática prejudicial não faça parte da cultura tradicional, nem existam estatísticas disponíveis, temos de apelar à sensibilização do público para as consequências deste tipo de violência que causa numerosas vítimas, ferimentos e traumas para as raparigas e mulheres ao longo da vida. Cerca de 200 milhões de raparigas e mulheres foram sujeitas a mutilação genital”.

Sublinhou também que a UNICEF está preocupada com estudos recentes na região da África Ocidental e Central, que revelam que existe uma tendência desta prática na população em idade precoce, em raparigas com menos de 5 anos de idade. Isto implica que deve ser feito um trabalho intensivo com pais e cuidadores, incluindo avós e também com líderes religiosos e comunitários tradicionais, para os envolver na mudança de normas sociais e de comportamento para prevenir a violência baseada no género e as práticas nocivas.

O Terceiro Vice-Primeiro Ministro, no seu discurso, condenou também a prática da mutilação genital, reafirmando que esta não traz quaisquer benefícios para a saúde das mulheres. Para o membro do Governo, é necessário implementar diferentes esforços para prevenir esta situação, tanto nos países de origem como nos países receptores. Afirmou também que as mulheres deveriam opor-se a esta prática, e concluiu felicitando o autor.

https://www.guineaecuatorialpress.com/noticias/presentacion_del_libro_%E2%80%9Cmutilacion_genital_femenina_la_sombra_del_empoderamiento_femenino_en_la_sociedad_del_siglo_xxi%E2%80%9D

 

Livro disponível online


«   »