Home » Santiago Uganda, último rei Ndowé e um dos primeiros líderes independentistas da Guiné Equatorial

Santiago Uganda, último rei Ndowé e um dos primeiros líderes independentistas da Guiné Equatorial

Publicado em 11 de outubro de 2021 às 14:23

Santiago Uganda Ndelo Ngola ou Rei Uganda (1845 - 9 de Junho de 1960) foi o último rei de Corisco e dos Ndowés ou Bengas, entre 1906 e 1960. Foi um dos primeiros líderes independentistas da Guiné Equatorial.

Sucedeu a Fernando Utimbo como rei em 1906 e reunificou o trono dos Ndowé, que tinha sido separado em dois ramos (Cabo San Juan e norte da ilha) desde 1843. No ano seguinte à sua coroação, recebeu o reconhecimento do governador colonial espanhol.

O rei Uganda denunciou os maus tratos infligidos aos nativos pelos colonos e a falta de justiça entre brancos e negros. Defendeu a independência do povo Ndowé.

Não era bem visto pelas autoridades políticas e religiosas espanholas, pois era protestante e não católico, e exigia o cumprimento do Tratado de Tika de 1843, em que o rei Benga Bonkoro I tinha colocado os seus bens sob o protectorado espanhol. Também foi criticado pela sua falta de amor por Espanha. O governador militar Leoncio Fernández recomendou a sua marginalização. Apesar disso, foi condecorado com a medalha Alfonso XII. Em 1944 as autoridades coloniais atribuíram-lhe a medalha de África ou da Paz.

Após a sua morte no Hospital do Cogo em 9 de Junho de 1960, Espanha não permitiu que nenhum dos seus filhos lhe sucedesse e dissolveu a monarquia, fazendo de Santiago Uganda o último rei Ndowé.

O seu filho José Perea Epota foi um líder independentista da Ideia Popular da Guiné Equatorial (IPGE).

Após o Golpe da Liberdade de 1979, o governo de Obiang Nguema Mbasogo prestou homenagem ao Rei Uganda colocando a sua efígie nas notas de 500 ekwele.


«   »